Você sabe como é calculada a Inflação Médica?

mesa.jpg

Você sabe por que seu plano de saúde é reajustado, todos os anos, e o que determina o valor desses aumentos? Acertou quem disse ‘inflação médica’. Sim, é ela que define o reajuste anual das mensalidades dos planos.

Essa inflação é calculada de acordo com a Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCMH), que, por sua vez, é formada por dois fatores básicos: aumento dos preços pagos pelas operadoras por consultas médicas, exames complementares, tratamentos e internações; e o maior uso dos serviços dos planos pelos beneficiários, causado, muitas vezes, pelo crescimento da expectativa de vida da população (à medida que a idade avança, surgem mais problemas de saúde - e mais complexos).

Outros componentes também influenciam bastante o crescimento da inflação médica, entre eles a alta dos preços de insumos (tudo o que é usado nos consultórios, laboratórios e hospitais); a ampliação da cobertura do atendimento; a incorporação contínua de novas tecnologias; e até práticas do próprio sistema de saúde e dos beneficiários dos planos.

Alguns fatores determinantes na variação do reajuste do seu plano:
• Materiais e serviços hospitalares;

• Medicamentos;

• Honorários médicos;

• Exames;

• Quantidade de serviços demandados.

O custo médico hospitalar é resultado de uma combinação dos fatores frequência e preço dos serviços de saúde. Enquanto os consumidores em geral se utilizam de várias formas para se defenderem da inflação, substituindo ou reduzindo o consumo de determinados produtos, o consumidor também pode ser um importante aliado no controle dos custos de saúde - por exemplo, sabe quando você passa por especialistas diferentes que pedem os mesmos exames que fez recentemente e você os repete mais uma vez? Isso representa má utilização do seu plano de saúde, que leva ao aumento da inflação médica. Sempre compareça às consultas com os últimos exames realizados em mãos, pois, assim, você ganhará tempo e será um parceiro na luta contra o desperdício no custo médico.

Fonte: Cartilha Guia de Reajustes, FenaSaúde.